domingo, 23 de maio de 2010

.


Porque você me deixou ir? Porque você não me segurou, me amarrou, me impediu de partir? Porque você não me pegou pelos ombros e me chacoalhou e disse `acorda menina!` ? Porque você não me disse que tudo passaria e que a única coisa que permaneceria seria nosso amor? Você sabia, e não me avisou, permitiu que eu partisse..

E eu parti. Não pra sempre, mas com vontade de voltar. E voltei. Mas aquela frase `antes tarde do que nunca` não se fez verdade. E agora sinto no meu peito o coração chorando e a minha alma vazia, simplesmente estática..

Ficou apenas a busca incansável de qualquer coisa que estimule qualquer outro pensamento. A falta de força para segurar as lágrimas quando a lembrança de um sorriso, um gesto ou uma música surge na cabeça. Não saber o que fazer com as sobras deixadas para trás e a esperança de ter tudo novo e melhor um dia. Mesmo que no fundo eu saiba que nada é para sempre e nunca será igual.

Eu o amo, o amo tão pura e verdadeiramente, que cheguei a pensar que se um dia ficássemos longe continuaria sendo uma pessoa feliz, pois tive a chance de te encontrar durante essa vida. Mas não, não há completa felicidade sem sua presença.

E a volta da rotina tenta preencher o vazio que ficou, uma espécie de coisa apertada no peito, um sufoco, um grito sem voz.

E no fim disto tudo eu preciso explodir, mas não vou desistir da minha promessa. Você desistiu, mas eu continuo aqui. Apenas quero gritar, berrar, sair, correr sem rumo. E o meu peito precisa gritar a dor que sente, a dor que vê. Esse grito que ninguém enxerga mas que eu sei que se move dentro de mim!

Sinto-me consumida pelo vazio e pelo desejo de não sentir esse vazio!


*Musiquinha do dia: Paramore - The Only Exception

http://www.youtube.com/watch?v=-J7J_IWUhls